hipertrofia miofibrilar

Você sabe quais são as principais diferenças entre hipertrofia miofibrilar e sarcoplasmática? Cada um desses tipos causa diferentes reações no corpo e tem um funcionamento distinto em nosso organismo.

Continue lendo o texto até o fim se você deseja compreender quais são os prós e os contras de cada método, quais ações eles exercem, as consequências e outras informações relevantes sobre o tema!

Hipertrofia miofibrilar e sarcoplasmática: o que são?

Primeiramente, é válido apresentar o conceito geral de hipertrofia muscular. Esse processo nada mais é do que o crescimento dos músculos como consequência do aumento de suas funções celulares. Isso se dá graças aos impulsos aos quais o corpo é submetido, seja por exigência física, seja por modificações hormonais.

Não à toa, os treinos de musculação, aliados a uma boa alimentação, são reconhecidos como uma das formas saudáveis mais eficientes de ganhar massa muscular, pois combinam os estímulos necessários para atingir esse efeito.

Agora que você já sabe, de maneira resumida, como as modificações hipertróficas acontecem, veja como funciona cada categoria específica.

Hipertrofia miofibrilar

Ela ocorre quando alguém tenta levantar um peso ao qual não está acostumado. Essa movimentação causa lesões microscópicas nas fibras musculares, estimulando os músculos ao crescimento. Se você deseja, por exemplo, hipertrofiar a panturrilha, esse método consistiria no acréscimo excessivo da carga de um treino desse grupo muscular.

Nesse caso, o corpo trabalha no sentido de aumentar tanto a densidade quanto o volume das miofibrilas. Segundo um trabalho escrito pela Dra. Flávia Goulart, docente de Ciências Fisiológicas da UNESP (Universidade Estadual Paulista), elas são “estruturas especiais que possuem o mesmo comprimento da fibra muscular e possuem estriações transversais”.

Hipertrofia sarcoplasmática

Assim como a miofibrilar, ela consiste no aumento de estímulos visando ao crescimento dos músculos. Contudo, se na modalidade anterior o foco era a carga do treino, o intuito aqui é promover um maior acúmulo de metabolitos, que resultam da aceleração no metabolismo de algumas substâncias presentes no sarcoplasma, como:

  • mitocôndrias;

  • creatina;

  • mioglobina;

  • glicogênio;

  • água;

  • minerais;

  • capilares sanguíneos.

Nesse método, o inchaço celular de metabolitos gera a síntese proteica, que permite chegar aos resultados esperados. Para isso, ele requer uma periodização bastante detalhada dos treinamentos.

Como elas funcionam na prática?

Antes de tudo, é importante ressaltar que qualquer prática física requer o auxílio de um profissional que trabalhe diretamente com isso. Procure por um apoio qualificado para evitar que você se machuque e, principalmente, chegue aos objetivos desejados com a saúde em dia.

Um programa para treino de musculação, por exemplo, pode se adaptar às suas necessidades e à rotina que você leva, além de manter sua motivação em alta por muito mais tempo.

Lembre-se: caso esteja inativo há algum período, também é fundamental passar em um médico antes de retomar as atividades físicas, ok? Só assim será possível conseguir o corpo perfeito sem correr maiores riscos.

Hipertrofia miofibrilar

Imagine que você almeja desenvolver a musculatura de suas costas. Caso opte pelo método tensional, como também é chamada a hipertrofia miofibrilar, a tendência é que você faça treinos com cargas mais altas e execute movimentos com grandes amplitudes.

Isso faz com que, durante o exercício, ocorra um maior envolvimento da fase de alongamento na contração muscular. Em média, são feitas poucas repetições em velocidade lenta. Os intervalos, por sua vez, podem variar de 2 a 4 minutos.

Por conta do alto nível de tensão, as articulações ficam submetidas a um certo grau de risco. Dessa forma, se essa opção lhe agradar mais, nem pense em tentar sem uma recomendação profissional, certo?

Hipertrofia sarcoplasmática

Também conhecido como método metabólico, esse estímulo hipertrófico é focado em acumular os metabolitos, como visto anteriormente. Sendo assim, a ideia consiste na realização de muitas repetições por treino.

Cada repetição deve ter movimentos rápidos e contar com uma carga reduzida. Essa redução precisa ser de, aproximadamente, 30 a 50% do máximo que você está habituado a levantar em seu atual estágio físico.

O descanso entre as séries, por sua vez, precisa ser curto, como nos treinos de HIIT, por exemplo. O intuito dessas paradas mais breves é prolongar o estresse metabólico e enfim alcançar o inchaço das células.

Em virtude desses detalhes relacionados ao tempo nos treinos, é mais do que relevante dispor do acompanhamento de um especialista, para que não haja confusão em relação à metodologia.

Quais são os prós e os contras de cada uma?

Tenha em mente que, quando o assunto é o aumento de massa muscular — assim como se dá em treinos para emagrecer — estamos lidando com um processo que varia muito de pessoa para pessoa.

Se você pretende se tornar um bodybuilder e começar a competir, por exemplo, deve seguir um planejamento específico de atividades e alimentação. O mesmo vale para definir e aumentar um músculo específico, pois só assim você extrairá os melhores benefícios do método que mais combina com o seu objetivo.

Hipertrofia miofibrilar

Prós

Suas principais vantagens são relacionadas à manutenção do ganho muscular. Por ter forçado a musculatura, você dificilmente perderá o que já conquistou ou sofrerá com as consequências causadas pelo efeito platô. O desempenho em atividades anaeróbias também é maior.

Contras

Como a quebra de tecidos é frequente, você fica mais exposto às lesões. Em termos de volume muscular, o crescimento é um pouco mais lento e você deixa, progressivamente, de encontrar benefícios hipertróficos em exercícios aeróbicos.

Hipertrofia sarcoplasmática

Prós

Você tende a ganhar resistência e fará cada vez mais repetições. Além disso, o aumento dos músculos é ágil e você verá os resultados acontecerem em menos tempo.

Contras

Seguindo aquela velha máxima de que “o que chega rapidamente vai embora na mesma velocidade”, você está propenso a perder o volume conquistado com maior facilidade. Portanto, qualquer deslize pode comprometer sua evolução.

Não se esqueça: para “crescer” e, ao mesmo tempo, levar uma vida saudável, é imprescindível encontrar o equilíbrio entre tudo aquilo que você faz.

Hipertrofia miofibrilar e sarcoplasmática são métodos que lidam com diferentes demandas. Por isso, é preciso conhecê-los mais a fundo e contar com o auxílio de quem entende do assunto.

Se você gostou deste texto e quer testar alguma dessas abordagens, aproveite para ler nosso post sobre treinos online!

 

hipertrofia miofibrilar

 

Fernando Sardinha
Escrito por Fernando Sardinha