Efeito plato

A dedicação aos treinos continua sendo intensa, contudo você não consegue sair de um determinado nível? Aliás, parece que já faz um bom tempo que os resultados são os mesmos? Infelizmente, corre o risco de você ter caído no efeito platô — que nada mais é do que a estagnação muscular.

Esse cenário normalmente acontece com aqueles que já malham há algum tempo e a partir de certo momento não notam mais nenhuma evolução — seja em relação à massa muscular ou até ao ganho de força.

Quer entender melhor o assunto? Então continue a leitura e saiba tudo sobre o efeito platô, incluindo algumas dicas de como sair dessa cilada.

Por que o efeito platô acontece?

É simples: o nosso corpo busca constantemente pelo equilíbrio. Por exemplo, quando você reduz o número de refeições diárias, o seu organismo entende que é preciso poupar energia, o que resulta — às vezes — no aumento de peso.

Em contrapartida, quando você tem uma alimentação saudável, realizando refeições de 3 em 3 horas e também pratica atividades físicas, o seu corpo funciona melhor e gasta mais energia, o que ajuda com a queima de gordura.

Em outras palavras, o organismo se baseia na rotina da pessoa e busca uma equação capaz para se manter em perfeito funcionamento. Porém, tal característica não é tão vantajosa quando o assunto é desenvolver massa muscular.

Afinal, essa busca pelo equilíbrio ajuda a gerar o efeito platô, uma vez que o corpo se acostuma com determinada atividade e, por consequência, para de responder aos estímulos externos. O resultado é a estagnação muscular.

Como identificá-lo?

Para começo de conversa, não confunda o efeito platô com ganhos mais lentos de massa muscular ou um progresso mais moderado. Afinal, depois de anos treinando, é normal os resultados demorarem mais a aparecer.

Quer uma prova? Então pense nos primeiros meses de treinamento. Quanto você conseguiu evoluir nesse período? Provavelmente, adquiriu mais força e perdeu gordura com mais facilidade, certo?

Agora, analise o cenário atual. Quanto tempo é necessário para você conquistar mais massa muscular; para aumentar o peso nos aparelhos ou ainda para eliminar aqueles poucos quilinhos extras que faltam? Perceba, nesse contexto, que com o passar do tempo, o processo se torna mais prolongado. E isso é totalmente natural.

Para ter certeza que seu corpo entrou de fato no efeito platô, verifique então se não existe mais nenhum tipo de progresso nos treinamentos — tanto em relação ao desempenho quanto à forma física. Tenha em mente que a estagnação é quando não se nota nenhuma diferença durante meses de treinamento.

Quais os prejuízos da estagnação?

A perda da motivação para treinar é um dos principais prejuízos da estagnação e não à toa. Ao notar que o corpo e as suas medidas em geral não saem de determinado patamar, a pessoa simplesmente perde o interesse pela atividade.

Equivocadamente, ela pensa que aquilo é uma perda de tempo e, por isso, prefere parar o treino e se dedicar a outras tarefas. Mas não caia nessa armadilha — até porque existe uma solução para sair do efeito platô, que será tratada em breve.

Outro ponto negativo é a busca por dietas e recursos “milagrosos”, que podem prejudicar, e muito, a saúde. Lembre-se, nessas situações, de solicitar uma consultoria com profissionais especializados, que serão capazes de guiá-lo pelo caminho correto para que você alcance seus objetivos.

Como sair dessa situação?

Caso tenha detectado que o seu corpo realmente “estacionou”, não precisa entrar em pânico, uma vez que é possível, sim, reverter essa situação e conquistar resultados satisfatórios.

Confira agora 4 ações para sair do efeito platô, voltando a ter uma performance mais eficiente.

1. Faça os exercícios corretamente

Já dizia o ditado que a pressa é inimiga da perfeição, não é mesmo? Por isso, quando for realizar as atividades físicas, tenha paciência e certifique-se de que a execução do exercício está correta. Afinal, na ânsia de terminar logo o treino, não são raros os casos em que as pessoas realizam a tarefa de qualquer forma.

Como se pode imaginar, tal característica atrapalha o seu progresso e compromete a atividade como um todo. Então, tenha cuidado redobrado nas atividades que exigem movimentos mais alinhados e complexos, como agachamento e supino.

Sabia ainda que fazer exercícios mal feitos não só pode causar o efeito platô como também pode gerar alguma lesão.

2. Aumente gradativamente a intensidade

Não caia no erro de começar um treinamento já na sua potência máxima, pois o resultado pode ser catastrófico. O mais recomendado é aumentar gradativamente a intensidade, ficando, aos poucos, preparado para realizar exercícios que exijam mais do seu corpo.

Além do mais, torne a prática de atividades físicas uma constante em sua vida. Lembre-se de que realizá-las apenas esporadicamente não trará o resultado esperado.

Outro ponto importante, nesse aspecto, é não deixar a rotina falar mais alto, realizando as atividades como se estivesse no automático. Dedique-se realmente a elas, saindo da zona de conforto e levando a sério o treinamento. Caso contrário, a chance de você ter uma estagnação muscular é elevada.

3. Pense em outros estilos de treino

É relativamente comum se deparar com pessoas que acreditam que o estilo de treino adotado por elas são os melhores. Mas, na verdade, existem outros formatos que podem ser até mais efetivos.

Importante ressaltar, nesse sentido, que — às vezes — o efeito platô surge devido à realização de um mesmo treinamento por um extenso período. A ordem dos exercícios, o número de repetições e até os intervalos são sempre iguais.

Nesse cenário, é mais fácil o organismo se adaptar com aquela rotina e, consequentemente, estagnar. Portanto, tenha a mente aberta e procure conhecer outras propostas de treino.

4. Tenha uma alimentação adequada

Pode apostar: uma alimentação incorreta pode trazer grandes transtornos, contribuindo inclusive com o efeito platô. Por isso, é importante se preocupar não só com o treinamento em si, mas também com a dieta estabelecida.

Em outras palavras, para conquistar o corpo perfeito e obter uma rotina mais saudável, é preciso ter uma alimentação de qualidade atrelada à prática regular de atividades. Não basta apostar em um e esquecer completamente do outro.

Fato é que se seu corpo entrou no efeito platô, é hora de analisar melhor suas atitudes e, claro, o seu treino. Não se esqueça de que para conseguir sair dessa enrascada é preciso colocar a mão na massa. Afinal, de nada adianta perceber a situação e não tomar nenhuma providência.

Gostou do conteúdo e quer receber mais dicas de como potencializar os seus treinos? Então, assine nossa newsletter e receba informações exclusivas!

 

Efeito-plato

Fernando Sardinha
Escrito por Fernando Sardinha